Vodafone usa Google e mostra posição dos clientes

A Vodafone permite, desde a semana passada, que os clientes usem os populares mapas e imagens de satélite da Google em alguns modelos de telemóveis. O serviço detecta automaticamente a localização do utilizador, assinala o respectivo local no mapa e permite definir um percurso para fazer a pé ou de carro.

A funcionalidade pode ser uma alternativa aos sistemas de GPS. Contudo, o director de produtos e inovação da empresa, António Carriço, admite que “a precisão da localização através da rede móvel pode ser menor” do que no GPS. Mas, sublinha, é mais rápida, não precisa de um equipamento específico e funciona em qualquer local onde o operador tenha cobertura de rede (segundo a empresa, 99 por cento do território nacional), nomeadamente dentro de edifícios, contrariamente ao que acontece com o GPS. “As diferenças fazem com que cada uma destas formas de localização seja adequada a necessidades distintas”, acrescenta.

Nestes Google Maps para telemóveis, a identificação da posição do utilizador é feita com recurso às mesmas células da rede Vodafone que são usadas para efectuar chamadas.

Quando um telemóvel se desloca de um local para o outro, vai sendo abrangido por células diferentes, de forma a manter a ligação à rede. A localização do utilizador nos mapas tem por base a posição da célula à qual este está ligado num dado momento (coordenadas que são conhecidas da empresa) e o raio de acção dessa célula, que varia consoante a densidade das comunicações e as características de cada área. Numa zona urbana, explica António Carriço, o raio de uma célula tem “algumas centenas de metros”.

À semelhança do que já acontece com o serviço que a Google oferece na Internet, o utilizador poderá ampliar a imagem e navegar pelos mapas com um grande nível de detalhe.

O serviço é, para já, compatível com 25 modelos de telemóvel de várias marcas (entre a média e a alta gama), mas o operador está a trabalhar para alargar o leque de modelos em que a aplicação pode ser usada. Para aceder aos mapas é ainda preciso ter uma ligação à Internet via telemóvel.

Fonte: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1324528